Alckmin anuncia produção de seis novos medicamentos pelo Instituto Butantan

Dentre as novidades apresentadas no aniversário do Instituto também está o fornecimento de mais duas vacinas para o SUS

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 23, aniversário do Instituto Butantan, a construção de uma nova fábrica para o desenvolvimento de seis novos medicamentos a serem fornecidos para o Sistema Único de Saúde (SUS). A implantação da nova unidade será feita por meio de parceria entre o Instituto, ligado à Secretaria de Estado da Saúde e um dos maiores centros de pesquisas biomédicas do mundo, e a farmacêutica Libbs, empresa 100% nacional.

“O Butantan nasceu pequeno para combater a epidemia de peste bubônica no Porto de Santos e hoje é o maior instituto soroterápico da América Latina”, disse o governador. “Por meio dessa nova parceria, teremos investimento privado na construção de uma fábrica para medicamentos de alto custo para câncer e doenças autoimunes, depois com a transferência de tecnologia para o Butantan por meio de PPP”, afirmou o governador.

O laboratório industrial de anticorpos monoclonais será construído numa área de 800 m² e a obra terá duração de dois anos. O projeto executivo já foi concluído e a contratação da obra será iniciada com o incentivo de R$ 40 milhões da empresa parceira.

Este laboratório novo será responsável pela produção de pelo menos seis produtos que já possuem Parceria para Desenvolvimento Produtivo (PDP) aprovadas junto ao Ministério da Saúde, que também possibilitaram a produção de duas novas vacinas.

Os anúncios marcaram o aniversário de 117 anos da instituição, celebrados nesta sexta-feira, 23 de fevereiro.

Para comemorar a longa trajetória de contribuição à saúde pública, a instituição programou, entre outras atividades, a exposição “100 anos da Gripe Espanhola – Imagine o mundo sem vacinas”. Também será apresentado o novo mascote do Museu de Microbiologia, o “Gripinho”, representado pelo vírus Influenza e cujo nome foi escolhido pelos visitantes do Museu, em janeiro. Um aplicativo gratuito norteará qualquer visitante a usar este mascote no Museu de Microbiologia.

Novo laboratório

Com a nova fábrica, o Butantan estará em condições de produzir o primeiro medicamento biossimilar do Trastuzumabe do Brasil, conforme o compromisso de parceria entre o Instituto, o Ministério da Saúde e a Libbs. A expectativa da parceria é aumentar o acesso ao tratamento de alto custo de câncer de mama HER2+.

A parceria envolverá a transferência de tecnologia do anticorpo monoclonal Trastuzumabe da Libbs para o Instituto Butantan, com o fornecimento deste produto de alto custo ao Sistema Único de Saúde (SUS).

Anticorpos monoclonais são utilizados há anos para o tratamento de câncer e outras doenças. Inspirados nos anticorpos naturais no nosso organismo, eles são medicamentos produzidos em laboratório que permitem o combate ao câncer e doenças autoimunes por meio do reconhecimento seletivo de alvos moleculares.

Produção de duas novas vacinas

Além da parceria que envolve a disponibilização de anticorpos monoclonais, o Instituto Butantan também firmou acordos para a produção das vacinas contra hepatite A e a tríplice acelular (dTPa).

Com o registro concedido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Butantan será um dos quatro produtores mundiais da vacina contra a hepatite A e um dos três produtores da vacina contra difteria, tétano e coqueluche.

Para a produção da vacina da hepatite A, o Instituto absorveu as tecnologias de metodologia analítica e de processo de embalagem secundária da Merck Sharp Dohme, farmacêutica norte-americana. No caso da vacina tríplice acelular, o parceiro transferidor é a farmacêutica britânica GlaxoSmithKline (GSK).

As próximas fases de absorção das tecnologias são as etapas de envase, formulação, produção de células e dos vírus, além das atividades de suporte.

Para consolidar esta fase, o Instituto assinou com o Ministério da Saúde um contrato de fornecimento de 4,5 milhões de doses da vacina da hepatite A e de 5 milhões de doses da vacina dTPa, que começaram a ser disponibilizadas ao Programa Nacional de Imunizações, para prevenção das doenças em crianças e gestantes.