Alckmin inaugura estação Moema da Linha 5-Lilás

O governador Geraldo Alckmin inaugurou nesta quinta-feira (5) a estação Moema da Linha 5-Lilás do Metrô. Com mais 1 km de trilhos, a chamada ‘Linha da Saúde’ passa a contar com 16,2 km de extensão e 12 estações, desde Capão Redondo. A rede metroviária de São Paulo tem agora 84,3 quilômetros de extensão e 75 estações. Inicialmente, o novo trecho vai funcionar no formato de Operação Assistida, de segunda a sábado, das 10h às 15h, sem cobrança de tarifa. Essa operação consiste na apresentação da estação aos usuários, garantindo a infraestrutura necessária para o funcionamento dos terminais. Esse período permite a maturação dos equipamentos e de sistemas, como os de alimentação elétrica, sinalização e controle de tráfego, e também de telecomunicações.

A operação nesse formato segue o padrão internacional para a abertura de novas estações de metrô. O horário será ampliado gradativamente até chegar ao funcionamento pleno em todos os dias das 4h40 à meia-noite, com cobrança de tarifa, como em toda a rede. É uma linha muito importante porque vai atender a vários hospitais, além da AACD. Também é uma linha integradora, vai ser interligada às linhas 1 e 2 do Metrô e 9 e 17 da CPTM. Por isso é um grande benefício para a população de São Paulo”, afirmou o governador.

A nova parada segue o moderno padrão arquitetônico que vem sendo adotado nas novas estações da Linha 5-Lilás, com a utilização de uma grande cúpula de vidro – que virou marca das novas estações desta linha – na entrada principal, de frente à igreja de Moema. Os vidros deste acesso permitem que a luz natural chegue ao interior da estação, gerando economia de energia elétrica e protegendo da incidência de raios ultravioleta. A entrada principal fica na esquina das avenidas Ibirapuera e Divino Salvador. Neste local, foi possível a criação de um novo espaço público que se integra à Praça Nossa Senhora Aparecida, localizada em frente ao acesso da estação. Para isso, o projeto arquitetônico contemplou a inserção de elementos visuais como aberturas cobertas com vidros, que levam a iluminação natural e ventilação do nível da rua até as plataformas. Essas aberturas conhecidas como “lanternins” estão na praça e também ao lado da entrada da estação.

 Há também a entrada secundária, que fica no lado oposto da Avenida Ibirapuera, na esquina com a Avenida Sabiá. Ao todo, a estação Moema tem 10,9 mil m² de área construída e 23,3 metros de profundidade, que foram divididos em quatro pavimentos: acessos no nível da rua, mezanino intermediário, mezanino de distribuição e plataformas.

Totalmente acessível, a estação conta com quatro elevadores que permitem a interligação da rua com o mezanino e as plataformas, 15 escadas rolantes, piso podotátil direcional e fita antiderrapante nas escadas fixas. A nova estação Moema irá atender a 24 mil passageiros por dia. A ampliação da linha 5-Lilás compreende a construção de 11 km e 11 estações, de Adolfo Pinheiro a Chácara Klabin, além da aquisição de 26 novos trens, implantação do moderno sistema de sinalização e controle – CBTC – em toda a linha e a construção do pátio de manutenção Guido Caloi. Neste projeto, já foi aberto e está em operação um trecho de 6,9 km com as estações Adolfo Pinheiro (aberta em 2014), Alto da Boa Vista, Borba Gato e Brooklin (inauguradas em 2017), além de Eucaliptos (aberta em 2018). O traçado da Linha 5 percorre importantes avenidas que cortam a zona sul, oferecendo para a população acesso a diversos centros comerciais e renomados hospitais, como Santa Casa de Misericórdia de Santo Amaro, Hospital Alvorada, Hospital do Servidor Público Estadual, Hospital Edmundo Vasconcelos, Hospital São Paulo, Hospital Santa Cruz, Hospital Sepaco e outros centros especializados para tratamento como AACD, APAE e Lar São Francisco.

O investimento para todo o empreendimento é de R$ 10,4 bilhões. Quando completa, de Capão Redondo a Chácara Klabin, a Linha 5 atenderá 850 mil pessoas diariamente