Alckmin vistoria obras da futura Estação Congonhas do Metrô

O governador Geraldo Alckmin realizou neste sábado, 24/02,  visita de inspeção nas obras da futura estação Congonhas da Linha 17-Ouro, em sistema de monotrilho. A nova estação fará conexão direta com o saguão do Aeroporto de Congonhas por meio de um túnel de ligação construído sob a Avenida Washington Luís. Este túnel servirá também para a transposição de pedestres de um lado para o outro da avenida. Quando pronta, a estação Congonhas, atenderá a 18 mil passageiros diariamente.

Durante a visita, Alckmin detalhou a entrega de novas estações durante este ano. “Já no mês de março, iremos inaugurar as estações Eucaliptos e Moema, da Linha 5-Lilás, a Oscar Freire, da Linha 4-Amarela e 5 estações da Linha-15. Até o final do ano, serão mais dez estações de metrô e duas da CPTM na nova Linha-13, que dará acesso ao Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos”, explicou o governador.

A estação Congonhas foi planejada para ter ventilação e iluminação naturais em todos os espaços públicos e ser totalmente acessível, contando com piso tátil, quatro elevadores, 13 escadas rolantes, sete escadas fixas e seis bloqueios. Além disso, terá também um bicicletário no acesso principal.

A estação faz parte do trecho prioritário da Linha 17-Ouro, que terá 7,7 km de extensão e oito estações, além de conexão com a Linha 5-Lilás, na estação Campo Belo. Atualmente, cerca de 1.100 pessoas trabalham nas obras de implantação da linha e no pátio de manutenção de trem. A expectativa é de concluir o trecho no segundo semestre de 2019, com previsão de atender a 185 mil usuários por dia.

Concessão – Em janeiro deste ano, o Governo do Estado concedeu com ágio de 185% sobre o valor mínimo a operação das Linhas 5-Lilás e 17-Ouro do Metrô – uma outorga total de R$ 553,8 milhões, oferecida pelo Consórcio Via Mobilidade, composto pelas empresas CCR S.A. e RuasInvest Participações S.A., vencedor do certame.

O Consórcio Via Mobilidade será responsável pela operação comercial das duas linhas pelo período de 20 anos. O investimento inicial previsto do parceiro privado é de R$ 88,5 milhões para melhorias de infraestrutura na estação Santo Amaro. Ao longo de todo o prazo da permissão, a expectativa é de R$ 3 bilhões de investimentos e reinvestimentos.

O valor estimado do contrato é de R$ 10,8 bilhões, o que corresponde à soma das receitas tarifárias de remuneração e de receitas não operacionais, como exploração comercial de espaços livres nas estações, por exemplo.  É importante destacar que o ativo investido na construção das linhas e na aquisição de trens não está incluso na concessão, uma vez que não se trata de privatização.