Conselho da Mulher Empreendedora e da Cultura colore o céu do centro com soltura de balões rosa

São Paulo, 20 de outubro de 2021 – Os céus do centro histórico da capital paulista ganharam cor nesta quarta-feira (20). O Conselho da Mulher Empreendedora e da Cultura (CMEC) da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) e da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), e o Conselho Estadual da Condição Feminina (CECF), da Secretaria da Justiça e Cidadania, promoveram a soltura de cerca de dois mil balões cor-de-rosa. A ação chama a atenção da sociedade sobre a importância do autoexame para prevenção da doença do câncer de mama, o tipo mais comum entre as mulheres em todo o mundo. 

Desde cedo, as conselheiras do CMEC participaram de diversas ações, além de duas palestras ministradas pela União e Apoio no Combate ao Câncer de Mama, a UNACCAM: “Prevenção e cuidado sobre câncer de mama”, e “A autoestima da mulher com câncer de mama, uma abordagem humanista”. 

A presidente do CMEC, Ana Claudia Badra Cotait, que acompanhou de perto toda a ação, ressaltou a importância da parceria entre os conselhos. “No CMEC estimulamos o desenvolvimento e o crescimento de cada uma das mulheres. Mais do que isso, estamos sempre unidas e de mãos dadas em todos os sentidos”, disse.

Ao longo do mês o CMEC ainda promove diversas atividades focadas na prevenção. O tema ganhou destaque no podcast exclusivo que contou com a participação da ginecologista Marianne Pinotti. O bate-papo conduzido por Ana Claudia aborda os principais cuidados com a saúde da mulher.

Além disso, quem passar pela região central, encontrará diversos prédios iluminados com a cor rosa. O edifício sede da ACSP está entre os monumentos que aderiram à campanha Outubro Rosa.

“Não poderíamos deixar de atuar em uma campanha tão importante como essa e de ajudar as mulheres a se conscientizarem cada vez mais”, completa a presidente do CMEC. 

Conselho Estadual da Condição Feminina

O movimento de mulheres no Brasil teve início na década de 70 com o processo de democratização no país. Na década de 80 surgiram entidades feministas e de movimentos de mulheres. Nesse contexto e processo, ganha força a proposta de criação de um órgão institucional composto por mulheres com a missão de elaborar políticas públicas destinadas a eliminar a discriminação sofrida pelo segmento feminino da população: o Conselho Estadual da Condição Feminina de São Paulo.

Entre as atribuições do Conselho estão formular diretrizes e promover atividades que visam à defesa dos direitos da mulher, à eliminação das discriminações que as atingem, bem como a plena integração na vida socioeconômico e político-cultural; assessorar o Poder Executivo, emitindo pareceres e acompanhando a elaboração de programas de Governo nos âmbitos federal, estadual e municipal em questões relativas a mulher, tendo como objetivo defender seus direitos e interesses; desenvolver estudos, debates e pesquisas sobre a problemática da mulher, de acordo com o Decreto nº 20.892, de 4 de abril de 1983, regido pela Lei nº 5.447, de 19 de dezembro de 1986, ambos do Estado de São Paulo.