O sinal! E ela chorou

   Numa tarde de sábado, “O Sinal” aconteceu! Ela chorou. Dizem que as mulheres choram com facilidade. Tem algumas que choram até em inauguração de pastelaria… Mas a aluna postulante a violinista, até então a única mulher na classe, se dedicando a sua categoria instrumental para tocar na futura Orquestra Filarmônica I.N.J.C., turma dos veteranos com apenas sete integrantes, chorou e chorou por toda a classe. A classe estava quase vazia, além da jovem, seu irmão Filipe Williams Borges postulante a violista. Os demais postulantes desapareceram naquele sábado lindo com sol a vista e ninguém dava notícias da turma. E aí “O Sinal”! E Ela chorou.

   O maestro responsável pela formação da então futura Orquestra Filarmônica I.N.J.C. observou a classe desfalcada e que a menina chorava. E lhe perguntou, porque choras? E Ela responde: como, professor, teremos uma orquestra se os candidatos que se dispuseram como voluntário, não estão dando a devida importância a interação do grupo. O maestro responde: filha, tudo dará certo no tempo de Deus… Confia, confia, confia. Com sua experiência como maestro, regente, instrutor em diversas instituições religiosas e acadêmicas, o maestro observou na menina que chorava e chorava muito, “O Sinal” subliminar na sua psique dando conta que Ela veio ao mundo, não para ser uma coadjuvante e sim para liderar. E lideraria a futura orquestra que ainda não tinha rumo, nem estava no prumo, mas o maestro a conduzia por meio do esquadro.

   A aula se iniciou com alguns minutos de atraso, logo após o choro cessar e a menina lavar o rosto, tomar postura, empunhar o seu violino e conduzir-se ao seu assento. O maestro acompanhou passo a passo, a partir daquele dia, as atitudes da menina. Observou que Ela era super dotada em tudo. No colégio Pinheiro onde estuda no ensino regular, nas atividades extracurricular e principalmente na música.

    Hoje, a Orquestra Filarmônica I.N.J.C. é uma realidade, tomou forma e se posicionou no meio musical como uma das grandes orquestras no seguimento de música sacra, ficando em segundo lugar, apenas atrás da CCB. Conta com dezenas de músicos em diversos naipes, por exemplo, cordas, madeiras e metais. E “O Sinal” subliminar se concretizou e a menina que chorava, agora sorri, pois, a grande orquestra está sob sua batuta, Ela é a regente Wisma (Bruna Wisma Borges), primeira regente e diretora artística, também regente-examinadora. Além de se tornar multi-instrumentista, toca violino, viola, violoncelo, contrabaixo acústico, tuba, piano, violão, saxofone e entre tantos outros. O choro só durou um tempo de aula. Mas a alegria veio logo na primavera, no tempo de Deus.  Lembrando que o corpo orquestral , hoje, conta, também, com vários instrutores  e regentes adjuntos.

 Abrahão Estéves é jornalista (MTB 64.142), apresentador de TV, palestrante, musicólogo e regente, presidente do I.D.A.C . (Instituto Digital Abrahão.Com); abrahao.com@outlook.com