Palestra da AESUL abordou consciência alimentar

Retomar refeições em família, bioindividualidade, prestar atenção nos ingredientes dos rótulos e levar as crianças para colher alimentos e deixá-las preparar algo foram algumas questões discutidas

Com os prazos a serem cumpridos o tempo inteiro, seja em casa ou no trabalho, é fácil esquecer o quão simples é assumir o controle de sua saúde. Por isso, a AESUL trouxe em sua sede a palestra gratuita “Consciência alimentar para pais e filhos” no dia 19 de outubro, a qual foi ministrada pela Nutricionista Daniela Pini e a Chefe de Cozinha Célia Fellipelli.

Daniela abordou a questão da bioindividualidade. Ela ressaltou que cada pessoa é um indivíduo único com requisitos nutricionais altamente individualizados. As diferenças pessoais na anatomia, metabolismo, composição corporal e estrutura celular influenciam a saúde de forma geral e os alimentos que fazem cada um se sentir melhor. É por isso que nenhuma maneira de comer funciona para todos. A comida perfeita para o corpo de alguém, idade e estilo de vida exclusivo pode fazer com que outra pessoa ganhe peso e se sinta letárgica.

“É preciso que as pessoas tenham prazer ao se alimentar. Para isso, elas devem estar sempre atentas ao momento presente. A maioria de nós está no ‘piloto automático’ e acredita que sempre precisa fazer algo. É necessário respirar bem, se reunir com a família e as crianças precisam ter a vivência de saber de onde vem os alimentos, manipulá-los e fazer parte da transformação da comida”, comenta Daniela.

Elas explicaram a diferença de alimento e produtos alimentícios. Pediram para darmos preferências para a versão in natura. Citaram que alguns produtos são minimamente processados, enquanto outros são ultraprocessados, como o suco de saquinho. Destacaram que a maioria dos produtos embalados são carregados com açúcar, excesso de sódio, estabilizadores, conservantes e sabores artificiais. Além disso, pediram para prestar atenção na rotulagem, verificar os ingredientes presentes e não consumir produtos com data de validade longa.

Elas sugeriram que os presentes marcassem em quanto tempo comem e tentassem aumentar um pouco mais e sempre focassem no prato. Destacaram que se deve reparar no cheiro, no gosto e experimentar algo sem tempero para sentir o sabor original. Na cozinha, é melhor dar preferência ao azeite, banha de porco e manteiga.

Célia disse que para quem tem uma vida agitada uma sugestão é organizar o almoço semanal. “Dê preferência aos alimentos orgânicos e preste atenção na sazonalidade de cada fruta ou legume, assim além de economizar, conseguirá consumir algo rico em nutrientes. Passe algumas horas em um fim de semana preparando suas refeições e lanches durante toda a semana. Prepare a lista de compras baseada no menu feito. Deixe legumes e verduras previamente higienizados. Use pouco sal, experimente realçar o sabor com outras ervas naturais. Prefiram potes de vidros aos de plásticos, pois o de plástico solta PBA que é um composto cancerígeno”, destaca a chefe de cozinha.

Dentre as orientações passadas, estavam: evitem alimentos que têm gordura hidrogenada, óleos, sorvetes, biscoitos, bolachas, sucos de caixas e pacotinhos; Faça o seu melhor para evitar alimentos com as palavras fritas, crocantes ou recheadas, pois são boas indicações de que os alimentos são ricos em gorduras e calorias; Dilua o suco natural com um pouco de água, pois muita frutose entrado no corpo força o pâncreas a trabalhar além do necessário.

As profissionais passaram indicações de lugares para conseguir produtos orgânicos e passear com as crianças, para visitar e conhecer a produção tem a Fazenda Santa Adelaide e Farm to Table SP, e para compras sugeriram o Horti Gold.