Posso completar a água? 5 atitudes que você acha certas e detonam seu carro cada semana vamos passa uma dica

Seja ao dirigir, seja ao fazer a manutenção do veículo, é comum manter atitudes sem questionar se elas são de fato adequadas. Pode ser um macete ensinado pelo pai ou pelo avô. A intenção pode ser boa. Porém, algumas práticas, feitas de forma continuada, podem gradualmente reduzir a vida útil de componentes e causar gastos inesperados com reparos lá adiante – alguns bastante elevados. Além do aspecto financeiro, equívocos durante a condução são capazes, inclusive, de colocar em risco a sua segurança e a dos passageiros. Confira primeira dica.

1 – Completar nível do radiador com água de torneira

 Verificar o nível do sistema de arrefecimento do motor regularmente é um bom hábito, sobretudo em veículos bastante rodados, mais sujeitos a vazamentos. Contudo, completar o nível com água da torneira é uma prática bastante danosa, pois com o passar do tempo provoca corrosão e até entupimento de tubulações, dutos internos e da bomba de água – além de diminuir a temperatura de ebulição.

Água comum, seja da torneira, do rio ou até mineral, daquelas compradas em supermercado, acaba formando resíduos indesejáveis, como calcário. O aditivo, por sua, vez, é essencial para evitar corrosão e também eleva a ebulição do líquido de arrefecimento – reduzindo o risco de o motor “ferver”.

Também tem propriedade anticongelante, algo que, na prática, dificilmente terá serventia na maioria do território brasileiro. Vale destacar que nunca se deve abrir o reservatório, também conhecido como vaso de expansão, com o motor ainda quente – o líquido e os gases aquecidos e sob pressão podem causar queimaduras graves. Após o motor esfriar, abra a tampa lentamente e com cuidado, pressionando-a levemente para baixo e girando-a no sentido anti-horário. Se o motor superaquecer por falta de líquido, redobre os cuidados ao abrir a tampa e adicione a água desmineralizada e o aditivo lentamente e em pequenas quantidades – isso previne o choque térmico, capaz de trincar o bloco do motor. Quanto ao nível, este deve estar entre as marcações máxima e mínima, presentes no reservatório.