Prefeito recebe demandas de lideranças na Subprefeitura de Capela do Socorro Bruno Covas visitou a região, que recebe, no próximo sábado o Mutirão nos Bairros

O prefeito Bruno Covas visitou na tarde desta quinta-feira (23) a Subprefeitura de Capela do Socorro, na Zona Sul da cidade. A região vai receber, no sábado, dia 25, o programa Mutirão nos Bairros, que leva aos moradores de lugares mais distantes do centro os diversos serviços da Prefeitura, de várias secretarias, como Saúde, Direitos Humanos, Cultura, Pessoa com Deficiência, entre outros. Além das tendas com os serviços, as ruas do entorno devem ter concluídos os trabalhos de zeladoria e limpeza, já realizados ao longo da semana.

Acompanhado de João Batista de Santiago, subprefeito de Capela do Socorro, Bruno Covas ouviu algumas lideranças da região, a respeito das principais demandas locais. Os pedidos foram desde cobrança pelo tapamento de buracos até a regularização de fundiária, problema grave em Capela do Socorro, que abrange área de manancial. “Até o fim da gestão, 210 mil famílias terão a garantia de regularização fundiária. Não apenas as da Cohab, em que pessoas aguardam por isso há 30 anos, como fora dela. Precisamos, no caso específico desta região, do apoio da Cetesb, por ser uma área de manancial. Há dificuldades, nós sabemos, mas é possível e temos alguns planos”, explicou Covas.

De acordo com uma das lideranças do bairro, a região também não oferece atendimento adequado a mulheres em situação de violência, já que não conta com um equipamento específico para acolhimento. “Estamos reorganizando a política dos Centros de Cidadania da Mulher. Atualmente, temos regiões com mais de um centro e outras sem nenhuma unidade. Há ações de determinadas secretarias, mas nós precisamos ter uma visão da Prefeitura como um todo”, explicou. “A distribuição destes centros pela cidade deve ser feita no ano que vem, com o recurso para isso no orçamento”, definiu. “Também quero aproveitar e pedir apoio dos vereadores aqui presentes para votar em prol do projeto enviado pelo executivo à Câmara Municipal, que autoriza do poder público exigir que empresas que trabalhem para o poder público reservem vagas para mulheres que são vítimas de violência, para que o vínculo financeiro entre a agredida e o agressor possa ser cortado”, acrescentou.

Uma localização bem particular que pertence que pertence administrativamente à Subprefeitura de Capela do Socorro é a Ilha do Bororé, em área de manancial, na região das balsas. Naquela região, a demanda é por zeladoria. Segundo moradores, o mato invade a área de asfalto da principal estrada local. “No mês de junho temos planejado para o início da requalificação das ruas da Ilha do Bororé, mas só podemos fazer este trabalho nas ruas legalizadas. Voltamos à questão da regularização e legalização da moradia em área de manancial.”

Covas também ouviu o pedido de uma representante de uma igreja local, que, a despeito do atendimento assistencial que realiza em duas casas de acolhimento, teve as portas lacradas pela Prefeitura, por irregularidade imobiliária. “Não é possível atuar no caso específico. Podemos orientar para que a documentação seja providenciada. Temos atualmente 570 mil imóveis irregulares em São Paulo. Mandamos para a Câmara um projeto de anistia, em que se o imóvel respeita lei de zoneamentos, leis de acessibilidade e leis de segurança, poderá ser anistiado. E calculamos que possa chegar a 150 mil propriedades”, concluiu.