Prefeitura prorroga vacinação contra pólio e sarampo até 29 de setembro

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de São Paulo decidiu prorrogar a campanha de vacinação contra pólio e sarampo até 29 de setembro, com o objetivo de atingir ou ultrapassar a meta de 95% de cobertura vacinal. Até quinta-feira (13), foram aplicadas 548.632 doses da vacina de poliomielite e 545.469 doses da vacina SCR (tríplice viral que protege contra sarampo, caxumba e rubéola). A cobertura vacinal está em 92,7% para pólio, e 92,1% para SCR.

Neste sábado (15), mais de 80 postos estarão abertos para aplicação das vacinas e a lista das unidades com horário de funcionamento pode ser acessada neste link. Além das unidades de saúde, as doses serão aplicadas, também neste sábado, em posto volante localizado no piso térreo do Santana Parque Shopping, na zona Norte, das 10h às 17h.

É importante ressaltar que a ação preventiva, iniciada em 4 de agosto na capital paulista, é voltada exclusivamente para crianças de 1 a 4 anos, 11 meses e 29 dias de idade. Entre as idades atendidas pela campanha, a única que ainda não atingiu a meta é a de crianças com 1 ano de idade. Nesta faixa etária, a cobertura está em 69,8% da vacina de pólio e 68,5% de tríplice.

Apesar do município ainda não ter atingido os 95% de imunização do público-alvo recomendados pelo Ministério da Saúde, algumas regiões já ultrapassaram o índice. É o caso da região Leste, que soma 102,1% de cobertura tanto para a dose de pólio (também conhecida como paralisia infantil) quanto para a tríplice viral – crianças de outras regiões que tomam a vacina no local a cobertura fica maior do que 100% . Outra região que também atingiu a meta foi a Sul, com cobertura de 96,2% para pólio e 95,3% da tríplice. Na região Norte, o índice de imunização é de 89,7% de pólio e 88,9% da tríplice, seguida da região Sudeste, com 88,9% e 87,7% respectivamente. As menores coberturas foram registradas na Centro , com 79,2% de pólio e 76,4% da tríplice e Oeste, com 77,1% de pólio e 79,1% de tríplice.

A SMS reforça que a adesão às vacinas é fundamental para reduzir o risco de reintrodução da poliomielite no Brasil assim como o de circulação de sarampo e rubéola no município.