Projeto une brincadeiras antigas de rua em novo formato

O projeto “Na Rua Sem Wifi” tem como objetivo resgatar brincadeiras do passado unindo gerações.  Crianças e adultos interagem trocando experiências e se divertindo desconectados da internet.  No mês de abril, o projeto foi realizado em Interlagos na praça Daniel José Teixeira — à 300 metros da estação de trem Primavera-Interlagos.

O projeto é itinerante e não segue uma periodicidade. Tudo vai depender da das demandas solicitadas por empresas ou comunidade. No evento, são apresentados cerca de 60 brincadeiras, de diferentes formatos Dentre eles peões, queimada, taco, carrinho de rolimã, cabo de guerra, pipas, bolinhas de gude e até mesmo futebol de botão. Adultos puderam relembrar sua infância e as crianças puderam aprender outra maneira de se divertir.  “A ideia do projeto é incrível, poder mostrar as crianças essas brincadeiras enriquece a cultura delas e as gerações ensinam umas as outras”, conta o vereador Ricardo Nunes.

Segundo Anderson Vieira, idealizador do projeto, o nome Na Rua Sem WiFi quer chamar atenção para o fato de as pessoas passarem a maior parte do tempo conectados a internet hoje em dia. Ao invés de se conectarem com o universo virtual, conectam-se com o universo físico. Num mundo onde as crianças estão cada vez mais cedo tendo contato com a tecnologia, o evento tira elas do quarto e traz a rua para brincar e interagir. “Muitas crianças não conhecem as brincadeiras porque jamais tiveram contato ou oportunidade”, revela Anderson Vieira. A razão de realizarem na rua é para que haja mais interação entre as pessoas. De acordo com a organização, cerca de 800 pessoas — adultos e crianças — participaram das brincadeiras e levaram também alguns brinquedos de recordação. Entorno de 500 pipas foram distribuídas das nove da manhã às seis da tarde.

Para que o evento seja realizado em outros locais é necessário o envio do pedido via página no Facebook (facebook/naruasemwifi), tendo capacidade de atender a toda cidade de São Paulo.

O projeto iniciou com um pai que queria apresentar aos filhos as brincadeiras que viveu na infância. Surgiu a ideia de fazer na rua, onde costumava brincar antigamente. Anderson contou sobre o projeto e conseguiu desenvolvê-lo buscando parceiros para os materiais. Todos os envolvidos do Rua Sem Wi-Fi são voluntários e tem como objetivo trazer as brincadeiras de rua antigas para o presente para cada vez mais gerações.